/br/ - Hue

Tropical


Nova Resposta
Sage
×
Mensagem
Ficheiros Máx 4100MB total
Password
Especial
[Nova Resposta]


1. leia as regras
2. cada um com seus problemas


397753fe322d6b9d0020(...).jpg
[Esconder] (508.6KB, 1079x1626)
A santa igreja está em prolapso. O homoglobal venceu.
Só quem nasceu ontem acha que a igreja morreu agora. Já faz tempo que a igreja católica acabou.
baseado anti-cristo
>>95793 (OP) 
A Igreja não pode "(des)criminalizar" a homossexualidade, isso é decisão das autoridades que já o vêem a fazer desde o Iluminismo.
>>95793 (OP) 
>A santa igreja está em prolapso. O homoglobal venceu.
Quem regula códigos penais e o que é crime é o Estado.
>>95793 (OP) 
Haverá religião mais patética do que catolicuckos? Em breve será uma religião do sul global aonda por cima lmao
Respostas: >>95805
Decisão saída direta de algum escritório da CIA para dar um jab nas leis anti-homo da Rússia.
Respostas: >>95806 >>95807
>>95801
Em breve a europa será o sul global lmao
>>95804
Não sabia que a posição tradicional da Igreja tinha vindo de um escritório da CIA.
Respostas: >>95811 >>95813
>>95804
Por que os usuários brasileiros de imageboards são tão esquizofrênicos?
Respostas: >>95814
>>95793 (OP) 
A Igreja não está errada. Mataram o Pai dos Computadores com uma lei dessas.
>>95806
a CIA esteve por trás do CVII
Respostas: >>95822
>>95806
>posição tradicional
sim, a tradição de ontem de manhã
Respostas: >>95822
>>95807
oxalá mais esquizos
>>95793 (OP) 
Vai dá o cu macaco
>>95811
Eu sei que é troll mas há tradcornos burros o suficiente para acreditar nisso.
>>95813
A única posição tradicional é: a homossexualidade é um pecado, penitência e cuidados pastorais são necessários para salvar essas pessoas. Que foi o que o Santo Padre disse.
Respostas: >>95824 >>95850
>>95822
claro, porque as execuções por sodomismo nuncs existiram
nem em israel, nem nos estados-pontífices

isso é coisa da minha cabeça
ou é hurr três estados da lei moral, vaginal e anal
Respostas: >>95825 >>95826
1673394911121584.jpg
[Esconder] (46.7KB, 430x538)
>>95824
se acalmi respiri fundo
>>95824
Existiram mas os primeiros sob a Lei Mosaica e os segundos sob autoridades seculares, a Igreja prescreve penitências, o que as autoridades fazem ou deixam de fazer depois disso é uma questão prudencial.
Agora, o ensinamento moral sobre a homossexualidade permanece exatamente o mesmo e é reafirmado pelo Santo Padre na entrevista.
Respostas: >>95827
>>95826
viu? é a velha lorota das três leis lol

sempre matou-se viados, e sempre matou-se sem dar interesse aos príncipes
fornique-se a polícia, parabolanos de paus e pedras a matar os pagãos
Respostas: >>95828 >>95834 >>95895
>>95827
Mais ou menos, já desde o Iluminismo que os códigos penais na Europa vêm progressivamente a suavizar as penas e descriminalizar a homossexualidade mas essa mudança de atitude das autoridades civis não alterou a teologia moral da Igreja relativamente a essa questão.
>matou-se sem dar interesse aos príncipes
Nem a Igreja nem a Escritura são a favor de justiça popular ainda que possa ter sido tolerado em algum ponto. O mesmo para a tortura.
Respostas: >>95830
>>95828
>não alterou a teologia moral da Igreja relativamente a essa questão
alterou na medida em que a igreja simplesmente não protestou contra
tu não precisa rasgar um papel, ou rabiscar por cima, para alterar a lei, basta nunca defendê-la

o que tu quer é, como diz o apostolo, desejar fartura, mas não quer dar o que comer
mas não dá pra escapar disso se insistir na lorota da tridimensionalidade da lei e da grotesca potestas indirecta
a terceirização da responsabilidade é a sina da tua "tradiçaõ"

>Nem a Igreja nem a Escritura são a favor de justiça popular
então terá de lidar com o fato de que, nas escrituras e na igreja
há uma não pouca monta de ordens que desprezam o transito legal instituído
assim, desprezando a instituição dos juízes

e um adendo, como a execução do aidético implica, conforme as escrituras, que o sangue derramado é do transgressor
o derramamento deste sangue não pode ser contado como sendo feito por ti
agora boa sorte lidando com a letra-escrita das escrituras :3
Respostas: >>95831 >>95833
ClipboardImage.png
[Esconder] (32.6MB, 3682x4605)
>>95830
não, fineias, você não pode executá-lo agora!!!
tem que levá-lo ao tribunal, contactar o advogado, dar baixa nas cortês!!!
nós vivemos no estado democrático de direito!!!
Respostas: >>95836
>>95830
>alterou na medida em que a igreja simplesmente não protestou contra
As alterações nos códigos civis na era napoleónica foi uma forma de tornar o direito penal independente da Igreja logo evidentemente houve uma resposta. Só que aqui o que está em causa não é que o aconselhamento da autoridade eclesiástica à autoridade civil tenha mudado, isso já tinha mudado em outras ocasiões como a tortura ou a usura e é normal que assim fosse porque são coisas de carácter não-definitivo e prudencial. É que a lei moral (que realmente infalível e logo definitiva) nem está em causa aqui é por isso que não estou a perceber onde queres chegar.
>tu não precisa rasgar um papel, ou rabiscar por cima, para alterar a lei, basta nunca defendê-la
Logicamente não, tens de alterar na mesma medida de solenidade. E digo novamente, não está ao alcance da Igreja criminalizar seja o que for, cabe ao estado definir uma pena adicional à penitência.
>agora boa sorte lidando com a letra-escrita das escrituras :3
Uma execução precisava sempre de testemunhas, um aviso e uma série de regulações rabinicas. Mas eu não estava a falar na Lei Mosaica.
Respostas: >>95837
video_dashinit.mp4
[Esconder] (22.8MB, 816x464, 05:01)
fado_bicha.png
[Esconder] (44KB, 481x545)
>>95827
Eras capaz de matar os teus compatriotas?
society.jpg
[Esconder] (49.5KB, 822x452)
>>95834
vivemos numa sociedade profundamente doente
>>95831
O que o Santo fez foi de facto expiatório mas a pena não era necessária de todo. Consultando as fontes da Lei Oral e o Rabino Maimonides sobre o papel dos tribunais sabemos que ordinariamente a pena de morte não podia ser decretada sem um número mínimo de juízes no julgamento, testemunhas e uma decisão maioritária.
Respostas: >>95837
>>95833
>em outras ocasiões como a tortura ou a usura
a tortura nunca foi permitida nas escrituras porque é inútil

agora, a permissividade da usura diz sobre os pagãos
e da feita que os pagãos não possuem direitos, a questão da usura cá nem interessa tanto
mas é sim definitivo que não pode haver juros contra teus irmãos, isso é definitivo e perpétuo
é só mais um exemplo de definhação da lei por meio do ignorar sistemático

>é por isso que não estou a perceber onde queres chegar
faz assim, considere a descriminalização do homicídio
mas a permanência da condenação eclesiástica ao homicídio
e agora coloque o papa a dizer em defesa da descriminalização do homicídio

de novo, é a boca a desejar fartura ao irmão e a mão negando-se a dar comida

>>95834
não, eu não gosto de ver gente sofrendo

>>95836
>mas a pena não era necessária de todo
se não fosse excelente não teria aplacado a ira do senhor
>Consultando as fontes da Lei Oral
não existe lei oral e mama-onanides pode mamar aristóteles em outra freguesia

israel era uma confederação tribal e as cortes tribais só lidavam com crimes de interesse tribal
como vê-se na conspiração contra moisés, mas não os vê quando trata-se de crimes de sangue
crimes de sangue, como mesmo era a sodomia, independia dos juízes totalmente
e como eu disse, há não poucos crimes que independem dos juízes, apostasia mesmo é um deles
Respostas: >>95839
>>95834
Imagine se um Mohamed fizesse isso aqui no teatro.
https://www.youtube.com/watch?v=DYYYAeSWOlI
>>95837
>a tortura nunca foi permitida nas escrituras porque é inútil
Sim concordo mas estava te a dizer que a Igreja permitiu a tortura mesmo sendo moralmente contra e só mais tarde se pronunciou e pressionou pela sua abolição.
>mas é sim definitivo que não pode haver juros contra teus irmãos, isso é definitivo e perpétuo
A teologia moral da usura é definitiva, o conhecimento acerca da usura em diferentes contextos e a abordagem prudencial e pastoral aos transgressores é que não é definitivo.
>e agora coloque o papa a dizer em defesa da descriminalização do homicídio
Mesmo que isso acontece aquilo que é dogmático permaneceria igual, seria o mesmo que este caso que estamos a discutir. É claro que o Sumo Pontífice não faria isso sem uma base científica, estatística e antropológica que lhe permitisse dizer que a descriminalização do homicídio prevenia que ele fosse cometido.
>>95837
>se não fosse excelente não teria aplacado a ira do senhor
Expiatório, não necessário nem extrapolavel para a nova aliança.
>não existe lei oral
Lei Oral existe, Jesus conhecia e citava a Lei Oral. Para saber com funcionava a justiça israelita é indispensável consultar a Lei Oral, nomeadamente o Talmud, e lá vez como se processavam os crimes ordinariamente. Não nego que não existam exceções como existiram no passado da Santa Igreja mas não é de todo o processo ordinário. Aliás, uma coisa muito interessante é que as execuções ao longo do Antigo Testamento são sendo cada vez menos recorrentes quer porque havia um desenvolvimento daquilo que se considerava a dignidade humana quer pelas regulações rabinicas que tornavam as execuções um processo moroso.
Respostas: >>95841
>>95839
>a Igreja permitiu 
nunca permitiu
tem gente que acusa o papa inocêncio iv de ter permitido
mas basta que leia a dita bula para ver que não é verdade
a bula não é estreita o suficiente para excluir totalmente a tortura
mas a falta de estreiteza não significa permissão para tortura

e um adendo, disse que não era permitida por ser inútil, não por ser imoral
é inútil porque os apóstatas devem ser mortos sumariamente por quem puder matá-los na hora
para outros crimes, eles dependem de testemunhas e a pessoa é condenada pelos testemunhos, tornando o recurso da tortura inútil

>o conhecimento acerca da usura em diferentes contextos
não existe "diferentes contextos"; a usura [entre irmãos] é pecado, assim como o assassinato [entre irmãos] é pecado
usura há quando quem empresta recebe [qualitativamente] mais do que emprestou, ponto final
essa é a posição de sempre, muito provada pelos irmãos ballerini, e foi até os escolásticos inventarem seus gramaticismos

>base científica, estatística e antropológica
ou seja, por um cálculo na tabuinha astrológica, quer-se reescrever a tradição
como disse, a tradição que tu fala é a de ontem de manhã mesmo kek
então, se teus astrólogos jesuíticos provarem que a esposa socar um caralho no cu do marido diminui adultérios está justificado o cintaralho

>não necessário nem extrapolavel para a nova aliança.
se agradou o senhor, foi necessário
caso não seja, seria assassinato e seria fineias o próximo executado
se agradou o senhor ontem, agrada-o hoje
caso não seja, tudo quanto houve e agradou o senhor pode ser, hoje, contestado
e isso inclui até mesmo os rudimentos da fé, como mesmo a supremacia dos sumo-sacerdotes

>Lei Oral existe, Jesus conhecia e citava a Lei Oral
não existe, e nosso senhor nunca citou-a
que não para condená-la, justamente por ser falsa, e humana

>são sendo cada vez menos recorrentes 
porque israel estava cada vez mais decadente
isso é, simplesmente, o substrato das escrituras
Respostas: >>95842 >>95843
>>95841
aliás, tortura é um signo aberto demais
o que é exatamente tortura?

é fácil dizer o que é sodomismo
mas tortura não é fácil assim
>>95841
>nunca permitiu
Moralmente condenava mas "deixava andar", por isso não podemos julgar a teologia moral da Igreja como estando dependente de juízos de carácter prudencial que são variáveis. 
>mas a falta de estreiteza não significa permissão para tortura
Nem a descriminalização da homossexualidade implica que a Igreja permita o pecado da sodomia. 
>não existe "diferentes contextos"; a usura [entre irmãos] é pecado, assim como o assassinato [entre irmãos] é pecado
Não foi isso que eu disse. Em cada contexto a usura tem formas e consequências diferentes e com isso diferentes respostas em relação ao que é ou não lícito. 
>até os escolásticos inventarem seus gramaticismos
Vicente de Lerins não era escolástico. 
>ou seja, por um cálculo na tabuinha astrológica, quer-se reescrever a tradição
Nós não estamos a falar de tradição ou do depósito apostólico, nem de questões de fé e moral, esse é o ponto. 
>então, se teus astrólogos jesuíticos provarem que a esposa socar um caralho no cu do marido diminui adultérios está justificado o cintaralho
Não porque é pecado. É uma falsa equivalência do exemplo anterior. 
>se agradou o senhor, foi necessário
E isso não implica que possa ser extrapolado para a nova aliança ou que o método de execução seja lícito, ou que o novo corpo farisaico não possa atribuir outro tipo de pena já que a Lei Mosaica não vigora.
>não existe, e nosso senhor nunca citou-a
Há um livro chamado The Pharisees and the Teacher of Nazareth do Asher Finkel que mostra como Jesus não só conhecia como aceitava a Lei Oral das academias judaicas. A enciclopédia judaica também tem algo sobre isso na entrada "Jesus".
Quando Jesus ensina aos discípulos sobre repetições vãs na oração Ele faz referência à Berekhot e ao Talmud Babilónico, na proibição da masturbação faz também referência ao Talmud.
Respostas: >>95844
>>95843
>deixava andar
posta aqui uma explicita permissão dos papas
porque tá aí o papa a dizer que não pode mandar viado pra cadeia, posta coisa equivalente do tipo
eu consigo dar-te o contrário, proibindo, mas incentivando ou proibindo nunca vi

>descriminalização da homossexualidade implica que a Igreja permita o pecado da sodomia
primeiro, falta de estreiteza não é a mesma coisa que completa abertura, que é o que fez o papa
segundo, e volto a repetir, o que quer é rezar por abundância ao faminto e ser você o primeiro a negar comida
sim, no papel tá na escrito que tu reza muito aos pobres, mas quando é pra fazê-lo na sociedade, tu os deixa morrer de fome
então, sim, no papel tá lá escrito que dar o cu é errado, mas quando os viados estão a dar o cu tu não faz nada para impedi-los
não satisfeito em não fazer, quer impedir que qualquer outra gente faça; é da feita dos burocratas que querem impedir-me de dar esmolas nos trens

>Em cada contexto a usura tem formas
e eu disse que não tem, assim, não há diferentes respostas
o ato é só um, receber mais do que deu, pronto, não há contextos

>Nós não estamos a falar de tradição
estamos

>Não porque é pecado. 
deixar o viado viver também
não fazer valer a justiça de deus é adultério

>E isso não implica que possa ser extrapolado para a nova alianç
implica porque é o mesmo deus
se não implica, como eu disse antes, tudo pode implicar ou nã-implicar
incluindo quem, a autoridade, que diz implicar ou não qualquer coisa que seja
e assim, tu condicionou a igreja à vertigem hegeliana
de que num futuro qualquer, tal e tal possa ser dito descabido
e se for, quem já neste tempo estiver ciente do que a fará descabido [no futuro] pode desde já não fazê-lo

>Há um livro chamado...
não li e não lerei, não interessa, não existe
não era lei e não era divina, era humana e era falsa
Respostas: >>95852 >>95868
>>95834
>travecos brasileiros a mandar em Porcoga
Quem diria?!!!
Respostas: >>95940
ClipboardImage.png
[Esconder] (943.6KB, 626x800)
>>95822
Devia ler mais obras dos doutores da Igreja e menos documentos do Concílio Vaticano II, Sr. Padre. Eis a posição tradicional da Igreja, belamente exposta nas palavras de S. João Crisóstomo.

"**[...]Eles(os sodomitas) sofrem o mesmo que as meretrizes; ou antes, são muito mais infelizes. Pois, sua união, embora ilegítima, é segundo a natureza; esta, contudo é ilegítima e contra a natureza. Mesmo se não houvesse geena e ameaça de castigo, seria pior do que qualquer tormento. Se lhes agrada, estás me falando de aumento do suplício. Se alguém visse um homem nu a correr, com o corpo todo sujo de lama, sem pudor, mas felicitando-se a si mesmo, não se congratularia com ele, ou antes o deploraria por não perceber que agia vergonhosamente. Para tornar o opróbrio mais evidente, seja-me permitido oferecer-vos outro exemplo. Se alguém condenasse uma jovem que no tálamo se unisse a animais, e ela, contudo, se deleitasse, não seria merecedora de lágrimas por não poder libertar-se desta doença, ou antes, nem a sentisse? É bem evidente. Se aquele é grave, este não é menos; pois é mais infeliz sofrer ultraje dos seus do que os estranhos. Digo que são piores do que os homicidas. É preferível morrer a viver com tal opróbrio. Pois o homicida separa a alma do corpo; este, porém, perde a alma com o corpo. Qualquer pecado que mencionares não é igual a esta iniquidade. Se aqueles que sofrem desses males tivessem senso,
haveriam de preferir mil vezes morrer do que padecer tais males.**"
Respostas: >>95860
>>95844
>mas incentivando ou permitindo nunca vi
fixado
metam um mail falso
já podem perguntar ao bot. 
https://biblegpt.org/
"Eternos padres portugueses" e brasileiros teólogos de chan já não precisos.
>>95850
As palavras de São João Crisóstomo fazem parte da teologia moral da Igreja, não é o que a entrevista e o OP aborda. A única coisa que eu acho errado no que estás a dizer é achares que o que um santo diz tem primazia sobre um concílio (apesar de um concílio nunca se ter pronunciado sobre este tema porque sempre foi crença ordinária e universal), o primeiro é falível, o segundo é infalível e requer o teu assentimento de intelecto e vontade total. Na Patrística vais encontrar posições heterodoxas rejeitadas pela Igreja, daí que colocar um Santo Padre contra o Magistério não é diferente fa instrumentalização que os protestantes fazem da Escritura, só que neste caso estás a criar apenas mais uma Sola.
Respostas: >>95865 >>95866
a502dc24feee57394401(...).gif
[Esconder] (2.7MB, 540x400)
eu não sei de onde estes especialistas em religião aparecem todos mas é uma das partes que acho mais caricatas e engraçadas no ptchan embora não leia nada do que escrevam, meteram ptchan.org como homepage nos computadores da biblioteca do seminário?
Respostas: >>95863
>>95862
São brasileiros. Podem não ter conhecimento básico do mundo ou do que os rodeia mas a cultura brasileira é bombardeada todos os dias com religião porque é a melhor forma de manter uma população controlada e despreocupada com os problemas reais. Deus assim quis, Deus assim fez, Deus assim ordenou. Tudo tem uma razão e a culpa não é de ninguém porque foi Jesus que transferiu aquele dinheiro para a conta do politico.
>>95863
>religião porque é a melhor forma de manter uma população controlada 
e há algo que não sirva para isso? Tudo pode servir para isso
controlar a população não é necessariamente mau, depende
a sociedade™ em si baseia-se em controlar a população de várias formas
simples burocracia de estado pode servir para esse exemplo que descreveste aí, não é preciso religião para os pecados de um político desaparecerem - aliás, burocracia é precisamente um processo que visa não atribuir a culpa a ninguém em específico se algo correr mal, que pode ser bom, ou mau, também depende
Editado por Escondido
Respostas: >>95875
>>95860
>segundo é infalível 
Actually... Um concílio só é infalível se o Papa o disser, o que não é o caso do CVII.
Respostas: >>95867
>>95860
>As palavras de São João Crisóstomo fazem parte da teologia moral da Igreja, não é o que a entrevista e o OP aborda.
O "Papa" disse que o homossexualismo deve ser descriminalizado, mas isso é bobagem. Não deve porque é algo intrinsecamente imoral e gravíssimo. Ademais, a Sagrada Escritura lhes prescreve pena de morte:

"Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles." Levítico XX, XIII
Respostas: >>95867
>>95865
As constituições dogmáticas do concílio são infalíveis, a parte não dogmática do concílio mesmo não sendo infalível e nao-definitiva obriga os fieis a dar assentimento de intelecto e vontade, caso contrário estás em cisma e pecado mortal. O Padre Paulo Ricardo tem videos sobre isso se quiseres ver. Deixo-te aqui um guia sobre o Magistério,
https://www.catholic.com/audio/caf/was-vatican-ii-merely-pastoral
Por acaso acho bem curioso teres apelado à Patrística contra um suposto ensinamento do Concílio Vaticano II (que não existe) sendo que dos últimos concílios da Igreja o Vaticano II toi de longe o mais voltado para as fontes patrísticas e menos escolástico de onde provém uma posição de maior clemência.
>>95866
A Igreja não está obrigada a aplicar nenhuma pena para além de uma penitência, já expliquei isso. Citas a Lei de Moisés mas comes porco e não cumpres com outros 600 comandos da Lei, nem tens de o fazer porque és cristão.
Citar escritura como um evangélico é fácil, entender a teologia subjacente às alianças é que já nem tanto.
Estou curioso se alguma igreja apostólica segue essas leis, se souberes de alguma seria fixe se comentasses.
>>95844
>posta aqui uma explicita permissão dos papas
Eu não disse que dava permissão mas que havia uma discórdia entre o que o estado praticava e o que a Igreja ensinava moralmente sem que isso implicasse que a Igreja alterasse a sua teologia moral.
>primeiro, falta de estreiteza não é a mesma coisa que completa abertura, que é o que fez o papa
Completa abertura seria se o Santo Padre dissesse que o homossexualismo não era pecado ou que não era preciso o pecador arrepender-se do acto, que o estado debia promover ou ainda que os sacerdotes devessem deixar os homossexuais andar sem os exortar a uma vida santa.
>então, sim, no papel tá lá escrito que dar o cu é errado, mas quando os viados estão a dar o cu tu não faz nada para impedi-los
>não satisfeito em não fazer, quer impedir que qualquer outra gente faça
Não concordo. O que o Santo Padre está a dizer é que os próprios ministros sagrados têm mais responsabilidades pastorais nessa questão em vez de deixar o estado resolver o problema. Podemos ser contra a descriminalização mas dizer que a Igreja está a dar carta branca para isso é falso. Até porque a relação criminalização-decadência do homossexualismo não está provada, no direito penal; o direito canónico é outra coisa.
>estamos
Não estamos porque tanto a entrevista como o OP não falam de nada do depósito apostólico.
>implica porque é o mesmo deus
>se não implica, como eu disse antes, tudo pode implicar ou nã-implicar
O mesmo Deus que se revelou progressivamente, desenvolveu e reverteu preceitos da Lei. Por curiosidade, há alguma igreja miafisita que aplica as penas do antigo testamento como tu dizes?
>e assim, tu condicionou a igreja à vertigem hegeliana
>de que num futuro qualquer, tal e tal possa ser dito descabido
>e se for, quem já neste tempo estiver ciente do que a fará descabido [no futuro] pode desde já não fazê-lo
É justamente o contrário, as decisões prudenciais da Igreja só servem para um tempo específico único. O aprofundar doutrinal não deriva apenas do combate às heresias e das disputas das Escolas mas também do desenvolvimento moral e intelectual do povo de Deus. O Magistério ordinário e autêntico fixa um conjunto de normal prudenciais para um tempo específico apenas e requer o teu assentimento, por isso não tem essa de fazer o que vai ser correto no futuro.
>não era lei e não era divina
Se era divina ou não, não sei, que é a principal fonte histórica sobre a justiça israelita, sim absolutamente.
Respostas: >>95896
>>95864
O pereto anda muito baseado hoje, tomou algo?
Respostas: >>95878
>>95875
Pau de cabinda.
>>95863
se tem um assunto que não existe no brasil é catolicismo lol
a8a72a0e338ff50892cf(...).jpeg
[Esconder] (38.8KB, 554x554)
7129bde60708f59a0f85(...).jpeg
[Esconder] (34.1KB, 689x445)
Ele disse mesmo que homossexualidade é pecado mas não é crime, ou não vi direito? Se for extremamente baseado, todo católico é pecador mesmo de algum modo. Fora que conseguiu fazer tanto o lado LGBTDSIXJD e tanto os cornoservadores Zé cruzadinha católicos de araque pistolar igual, kek. Baseado Gran papito Jorjón.
>>95827
>a velha lorota das três leis
Normal dizer isso já que você só estudou pelo youtube com gurús que estudaram com a avó deles.
Respostas: >>95897
>>95868
>Eu não disse que dava permissão...
mas é o caso de dar, cá é o caso do papa dizer explicitamente que não pode fazer algo que podia
no caso da tortura, não, porque nunca foi dito que podia, nem o senhor disse, nem seus vicários disseram
e não havia discórdia, o silêncio é suposto dar no silêncio, nem condena-se, nem descondena-se

>Completa abertura seria
a abertura é da outra espada, não é do que diz o papa à igreja
mas do que diz o papa às nações do mundo

>que o estado debia promover 
tu sabe que é isso que anda por trás, não faça-se de bobo
pelo amor, nem sequer seria preciso ver como anda o mundo e os governos
basta razoar que se uma vez crime e agora não mais, haverá promoção da coisa descriminalizada

se proíbo algo porque é ruim e agora desfaço a proibição, foi só uma qualidade que transmutou ou foi duas?
isso é, uma quantidade, dar-o-cu, e duas qualidades, crime-crime e mal-mal
então, eu acabo com a proibição, ou seja, crime-crime não está mais predicado ao dar-o-cu
mas os governos continuam a dizer que dar o cu é mal? bicho, não venha com esse papo boca-mole não

já começa que, se mudou apenas a qualidade crime-crime, sendo dar-o-cu ainda é mal-mal
o governo, por agora, é mal também, já que antes de coibir o erro, quer permiti-lo
mas esse sequer é o caso aqui, o caso geral é para mudar as qualidades crime-crime e mal-mal em concordância
então dar-o-cu não tem nada de crime-crime e muito menos de mal-mal
a coisa deixa de ser só uma falha performativa para a corrupção pura e simples

>em vez de deixar o estado resolver o problema
ninguém disse em momento algum que é um problema a ser resolvido, muito menos pelo estado

>mas dizer que a Igreja está a dar carta branca para isso é falso
não vou citar são tiago pela goriléssima vez
de nada adianta dizer que num papel-de-embalar-pão tá escrito que não pode sacrificar teus filhos à moloch
quando tu recusa a feitura de qualquer coisa contra moloch e seus promotores, achando que só apontar para o papal é o suficiente

>relação criminalização-decadência do homossexualismo não está provada...
outra vez com a astrologia; não vai ser um relatório burocrático que vai dizer-me que DEUS deu uma instrução errada ao seu povo

>Não estamos porque tanto a entrevista como o OP não falam de nada do depósito apostólico.
sim, estamos; trata-se da boa-vida das ovelhas

>O mesmo Deus que se revelou progressivamente...
tua resposta não lida com o problema levantado, da instituição do reino supremo da incerteza
eu não admito essa noção de revelação-progressiva, mesmo nas versões mitigadas
e sei que nem de longe isso é uma posição universal dentro da igreja católica

>há alguma igreja miafisita que aplica as penas do antigo testamento como tu dizes
as igrejas miafisitas são bastantes anti-governos, é parte da acusação de calcedónia dizê-la uma aliança satânica entre a igreja e o mundo
então, diferente da igreja romana, nunca dependeu-se dos governos para fazer valer as penas, que sim, eram—e são—feitas
aliás, as igrejas miafisitas são famosas pelo seu passado de extrema violência contra os pagãos e indisposição para com o império romano
mas aplica-se nas igrejas o sentimento das diferentes estações do exilio calcedoniano
então, a intensidade e alcance das acções da igreja dependem das circunstâncias darem em outra estação
e sim, eu estou plenamente ciente de que isto parece contraditório enquanto acuso a igreja católica de ser bunda-mole
mas tu fala em desenvolvimento, em progresso, os miafisitas falam de condicionada inacção
ou seja, pra ti a covardice é coisa boa, pra nós é coisa ruim

>É justamente o contrário...
necas, é justamente isso mesmo
e não adianta dizer que há uma elite seleccionada a dizer-nos quando e o que deixou de ser doce ao paladar divino
porque pela mesma fortuna pode-se negar essa elite, e não adianta os apelos de autoridade, porque não faz-se pela autoridade, mas pela coisa sensível e razoada
por isso que, se pela coagulação de um certo tempo, se diz que isso ou aquilo deve ser mudado, porque são novos tempos, basta que um qualquer os veja chegando
a autoridade daquela elite em nada diz sobre, basta que seja sensível às mudanças dos tempos, então tu vai ter que lidar com sacerdotes mulheres logo mais
porque é a mudança dos tempos, e quem mais antes vê-la chegar mais certo está em forçar a mudança, mesmo que haja despeito contra a elite de outrora

>é a principal fonte histórica sobre a justiça israelita, sim absolutamente.
principal? lol não vejo por onde
no mais, os demónios são a fonte mais acessível de informação
por que não anda a consultá-los?
Respostas: >>95905 >>95906
>>95895
desliga o projetor; se tem uma coisa que não faço é ouvir essa gente
a lorota das três leis (moral, cerimonial e judicial) é uma punheta peri-patética-patética
winter300_edited.jpg
[Esconder] (226.9KB, 1141x475)
>>95863
Você está louco, o brasileiro médio não entenderia 95% dessa discussão de autista.
>>95863
Ouro reddit.
>>95896
>no caso da tortura, não, porque nunca foi dito que podia
E onde o Sumo Pontífice disse que o ato homossexual é permissivel?
>mas do que diz o papa às nações do mundo
Primeiro a descriminalização não significa abertura por parte da outra Espada, no máximo um menor estreiteza. Segundo, o que o Sumo Pontífice disse nesta entrevista tem de ser enquadrado com a política da Igreja sobre esta questão e como ela informa as nações, e a posição da Igreja sobre o homossexualismo é muito clara para as nações, e que estas têm a obrigação para com a verdadeira fé de fazer cumprir a lei divina e natural.
Esta conversa é toda ela prematura nem possível dizer se esta será de facto parte do magistério autêntico do Papa e política da Igreja, foi apenas uma entrevista. 
>basta razoar que se uma vez crime e agora não mais, haverá promoção da coisa descriminalizada
Logicamente uma coisa não implica a outra. Toma a descriminalização das drogas como exemplo. Em direito descriminalizar não torna algo lícito. 
>ninguém disse em momento algum que é um problema a ser resolvido, muito menos pelo estado
O que estou a dizer é que a Igreja não está de todo a desresponsabilizar-se mas mais do que antes a ter um cuidado pastoral maior com essas pessoas sem viver à sombra da bananeira de uma posição mais estreita do estado. 
>quando tu recusa a feitura de qualquer coisa contra moloch e seus promotores, achando que só apontar para o papal é o suficiente
De acordo, mas essa não é a posição da Igreja. E repara, mesmo num caso de inacção o depósito apostólico ou tradição permanece imaculado que era o que estávamos a falar antes. 
>DEUS deu uma instrução errada ao seu povo
Onde diz que a Igreja enquanto novo corpo farisaico tem de aplicar a Lei Mosaica e que ela, tendo o poder das chaves do reino, não é soberana sobre as penas que aplica? Os mais de 600 comandos da Torah foram todos instruídos por Deus mas já no Novo Testamento vemos que a observação de todos eles não é um facto, e mesmo no Antigo Testamento os reis israelitas davam clemência em situações de pena capital prescritas pela Lei, tal como não avançava nada sem os juízes salvo em situações específicas em que os direitos dos povos pagãos tinham sido revogados por Deus. Por isso volto a perguntar há alguma igreja apostólica que em algum ponto da história tenha aplicado as penas da Lei Mosaica e todas as mais de 600 prescrições da mesma? 
>trata-se da boa-vida das ovelhas
E isso não é uma questão dogmática, basta ver a quantidade de concílios pre-nicenos que lidavam com a boa-vida das ovelhas e que alguns anos mais tarde não passavam de notas de rodapé na história eclesiástica justamente porque esses canones estavam sempre a mudar, porque as decisões pastorais são contextuais, não-definitivas.
>tua resposta não lida com o problema levantado, da instituição do reino supremo da incerteza
O reino supremo da incerteza colocaria-se se a Igreja enquanto matriz hermenêutica e actuante do depósito apostólico fosse causa formal da revelação, mas ela é um condicionante nos desbrotar das sementes deixadas pelos apóstolos como explicam São Vicente de Lerins, Garrigou-Lagrange e São Cardeal Newman. 
>eu não admito essa noção de revelação-progressiva
Não sei o que para ti é "revelação progressiva", se calhar como tu a entendes eu também não admito.
>as igrejas miafisitas são famosas pelo seu passado de extrema violência contra os pagãos
Não conheço a história delas mas isso quer dizer que essas igrejas aplicavam a Lei Mosaica e executavam pagãos e homossexuais? Que violência era essa? As outras prescrições da Lei também eram observadas? 
>mas tu fala em desenvolvimento, em progresso, os miafisitas falam de condicionada inacção
>ou seja, pra ti a covardice é coisa boa, pra nós é coisa ruim
Desenvolvimento não é progresso. E repara, covardia implica ser o mundo a impor algo à Igreja e está se retrair e assim podia inverter a situação e dizer que os covardes seriam os miafisitas , e quem tem a iniciativa é a própria Igreja Católica em informar o átrio dos gentios como o Papa Pio IX que se pronunciou contra os governos revolucionários na Europa, o Papa São Paulo VI que se pronunciou contra o aborto perante as Nações Unidas ou o Papa São João Paulo II que liderou a cruzada contra o comunismo. Sem ofensa mas a Igreja que se faz ouvir pelas nações e ouve as nações do mundo inteiro é a Igreja Católica. 
>e não adianta dizer que há uma elite seleccionada a dizer-nos quando e o que deixou de ser doce ao paladar divino
>porque pela mesma fortuna pode-se negar essa elite, e não adianta os apelos de autoridade, porque não faz-se pela autoridade, mas pela coisa sensível e razoada
Como já disse, a Igreja não é causa formal da revelação.
Respostas: >>95912
>>95896
>a autoridade daquela elite em nada diz sobre, basta que seja sensível às mudanças dos tempos, então tu vai ter que lidar com sacerdotes mulheres logo mais
Não porque o sacerdócio masculino é uma questão de Fé e Moral - crença universal e dogma.
>principal? lol não vejo por onde
Primeiro porque Jesus conhecia e aplicava Lei Oral e depois porque as melhores obras sobre história judia a citam fontes da Lei Oral.
Respostas: >>95913
>>95863
>a cultura brasileira é bombardeada todos os dias com religião
lol quem dera, somos bombardeados com sexo e viadagem todo o dia, isto sim
Respostas: >>95914
pense.jpg
[Esconder] (19.8KB, 250x367)
>>95793 (OP) 
"Quais eram os posicionamentos políticos e religiosos de Malcolm X perto da morte?"

Malcolm X mudou bastante em seus posicionamentos políticos e religiosos ao longo de sua vida. Na década de 1950, ele era um líder da Nação do Islã, uma seita islâmica nacionalista negra que pregava a superioridade racial dos negros e a necessidade de se separarem dos brancos. Ele também era conhecido por sua retórica anti-branca e violenta.

No entanto, nos anos 60, Malcolm X começou a se distanciar da Nação do Islã e a se aproximar do movimento pelos direitos civis liderado por Martin Luther King Jr. Ele também passou a condenar a violência e a pregar a unidade entre negros e brancos. Em sua última década, Malcolm X se converteu ao Islã ortodoxo e passou a se chamar El-Hajj Malik El-Shabazz. Ele continuou a lutar pelos direitos civis e a denunciar a opressão racial, e manteve seu compromisso com a luta pela igualdade racial até sua morte assassinada em 1965.

-*-

"Por que Malcolm X mudou de posicionamento?"

Malcolm X mudou seu posicionamento devido a uma série de fatores, incluindo sua prisão, sua viagem à África e sua conversão ao Islã ortodoxo.

Durante sua prisão na década de 1950, Malcolm X teve acesso a livros e escritos sobre história, política e religião que o ajudaram a expandir suas perspectivas. Ele também conheceu outros prisioneiros negros que o influenciaram em suas ideias políticas e religiosas.

Em 1964, Malcolm X viajou à África e ao Oriente Médio, onde conheceu líderes políticos e religiosos de diferentes países e culturas. Essa viagem o ajudou a entender a complexidade do racismo e da opressão racial, e a perceber que a luta dos negros nos EUA era parte de uma luta global contra a opressão e a desigualdade.

A conversão de Malcolm X ao Islã ortodoxo também teve um papel importante na mudança de suas opiniões. Ele começou a estudar os ensinamentos do Islã e se afastou da ideologia nacionalista e racialista da Nação do Islã. Ele passou a ver o Islã como uma fonte de orientação espiritual e ética, e a pregar a unidade entre os seguidores de diferentes religiões e raças.

Em resumo, Malcolm X mudou suas opiniões por meio de sua própria reflexão, estudo e experiências, e passou a pregar a unidade entre os seguidores de diferentes religiões e raças.
>>95834
>Quando estes cabrões me pedem mais subsídios para a cultura
A peça ja tinha trannies e era woke como a merda btw
>>95905
>E onde o Sumo Pontífice disse que o ato homossexual é permissivel?
disse às nações

>Primeiro a descriminalização não significa abertura por parte da outra Espada
claro que significa
está posto, o estado pode fazer o que quiser, sem ter em conta a igreja
é contraditório, já que é a igreja que está a falar isso, mas é o que diz
assim, a igreja anda a punir sodomitas, mas as nações já não devem imitá-la
não que estavam, como bem disse, já não faziam faz tempo

>foi apenas uma entrevista
mas foi tu que disse «posição tradicional da igreja»
eu disse que não, e agora tu vem dizer que talvez nada do que foi dito tem importância lol

>Logicamente uma coisa não implica a outra
se a proibição não tem efeito de coeção, o que fez deus pedir a moisés que coibisse tantas coisas?
anda deus a fazer coisas contra-producentes e, conforme teus astrólogos, ilógicas?

>Toma a descriminalização das drogas como exemplo
eu sei e no que deu a descriminalização da maconha no brasil, faz me rir

>mesmo num caso de inacção o depósito apostólico ou tradição permanece imaculado que era o que estávamos a falar antes
sim, era, sim, está certo, sim, eu disse assim também; mas falta você atentar-se no que que disse gorilíssimas vezes de são tiago
dito, do que valia a imaculada lei mosaica quando ela estava estuprada até deus levantar josias e papa hilquias?

>Onde diz que a Igreja enquanto novo corpo farisaico
a igreja não é «novo corpo farisaico»

>não é soberana sobre as penas que aplica
o corpo místico de cristo não é cristo
a igreja não é soberana

>vemos que a observação de todos eles não é um facto
é um facto, cristo cumpriu todas e ainda as cumpre

>e mesmo no Antigo Testamento os reis israelitas
a igreja toma a instituição dos reis como uma degradação satânica, não use-a sem essa devida consideração
e o poder da clemência não era dos reis, mas dos que falam por deus, e os reis [em si] não falam por deus
no mais, moisés pediu por clemência, e foi dada, dada em razão de moisés, não dos pecadores

>tal como não avançava nada sem os juízes
os juízes só julgavam questões de interesse tribal, basta ler as escrituras no tempo de sua instituição
de interesse religioso apenas quando com sacerdotes, em convergência com os direitos tribais
ou quando eram levantados por deus à estação da profecia

>Por isso volto a perguntar há alguma igreja apostólica...
todas as igrejas, desde que haja cristo eucarístico, cumprem a totalidade da lei, com cristo

a dizer da igreja, a minha, o grande nomocânone diz da supremacia dos sacerdotes sob toda vida
mas também diz da proibição dos sacerdotes de matar qualquer gente; essas contradições são bastantes presentes nas igrejas miafisistas
mesmo com isso a instituição da punição capital permaneceu incólume
o que aconteceu é que perdeu-se a executadoria, mas ganhou-se a procuradoria
mas, novamente, e conscientemente, os cânones não nos dizem quem deve ser o procurador
assim, a igreja reconhece o direito exclusivo do sacerdócio de executar pessoas, mas prorrogando-o por questão escatológica
permite que seja feito cá neste tempo, em seu nome, mas não diz, conscientemente, quem deve fazer

o lugar onde isso, a suposta incoerência, foi parcialmente contornada foi a etiópia
há de dizer que há um motivo material para isso, etiópia tinha um rei, e o rei era miafisista
então institui-se regras para quem seria o procurador e executor
mas isso degenerou-se, como esperado, e o rei tomou prerrogativas da igreja

por fim, a lei que diz no capítulo vinte de levítico é a mesma que diz no exacto capítulo anterior
o que tu quer fazer é riscar o vinte de judeu e sublinhar o dezanove de cristão, arbitrariamente

eu sei que os cânones da igreja também proíbem os sacerdotes disto
mas também permite que derramem-no em seu nome, e a igreja por muito fez
só que tu quer dizer que, havendo feito, pode ser desfeito sem que haja nenhuma falta
mas isso não é verdade e tu insistentemente recusa-se a sequer considerar pensar sobre
agarrando-se na ideia de que está dando de comer ao faminto só de mostrar a ele o prato de comida
e que, ao comer o prato, come também, só de olhar, o faminto

>basta ver a quantidade de concílios pre-nicenos
aqui entre no perigoso reino das abstracções calcedonianas e eu não quero falar disso
no entanto, o assunto, SODOMISMO, não é coisa simples como dizer qual cor de roupa usar e quando
sodomismo leva à condenação, e quem tem o poder de coibir o sodomismo e não faz, está somando-se aos sodomitas
antes oferecer a própria filha virgem que permitir a prática do sodomismo

[...]
Respostas: >>95913 >>95915
>>95912
>O reino supremo da incerteza colocaria-se se a Igreja enquanto matriz...
nada da tua salada-mista tem haver com o que eu disse lol

se é permitido negar o dever "assado" por conta de tempo "cozido"
quando vier o tempo devido, será permitido negar o dever "fritado"
e isso dá-se independente dos que viu o devir do tempo "cozido"
pois o que vale é o tempo, e não quem o viu, não importando quem
então, se houver quem sensível às condições que levarão ao tempo que dará no fim do dever "fritado"
esse sujeito esta justificado em deixar o dever "fritado" agora, antes de vir o tempo
e pode, ele mesmo, adiantar o processo do devir de tal tempo

a igreja como deposito de sementes, lida como diferentes deveres e contra-deveres
em nada oferece-se como resposta ao problema, lá a própria igreja pode ser alvo desse processo
pois, de novo, não é quem, mas o tempo, então, se for o tempo, pimba, sumiu a tua igreja como matriz-de-intelecções
tudo quanto existe a ser seguido está sob suspeita porque o tempo é o novo deus em novas roupas
qualquer acção depende das circunstâncias materiais do dado tempo que as justifica

>Não sei o que para ti é "revelação progressiva", se calhar como tu a entendes eu também não admito.
tu não quer dizer que os hebreus não estavam prontos pra isso e aquilo e aquele outro?
tipo, oculta-se partes da verdade conforme a capacidade dos ouvintes
e agora, na dada condição material dos ouvintes de cristo, mais verdades foram reveladas e coisa assim

>Não conheço a história delas mas isso quer dizer...
sim, os padres faziam, não com as próprias mãos, pelo motivo antes dito, mas faziam
e a igreja conheceu pouco tempo de  alguma liberdade, depois vieram vocês e os ismaelitas
sobre as outras prescrições, as que dependem do tabernáculo, foram situacionalmente sustadas
digo que são cumpridas, mas não pessoalmente, e ao sustá-las, lá se vai mais da metade das leis
o restante permanece, com a devida adaptação e consciente de que não maculam o corpo batizado
as dietéticas, que são as que mais insistem em dizer os auto-intutulados "anti-judaizantes", estão na dieta litúrgica
onde não come-se nada que seja contrário à lei de moisés, mas, de novo, com a consciência do batismo

>Desenvolvimento não é progresso
então, por favor, seja claro e diga que o posicionamento atual do papa dá-se por um degrado
e que a recusa de dirigir as nações não é algo conforme a tradição, mas uma reacção ao mundo que a recusa
digo que também não é possível inverter a situação porque a igreja diz explicitamente que a inacção dá-se não por medo, mas por ódio
é outro sentimento, a igreja-dos-martires não tem medo de desagradar o mundo, o que ela quer é não colaborar com ele

>Sem ofensa mas...
já fez e sabe que fez
para de fresquice

>Como já disse, a Igreja não é causa formal da revelação.
e isso só faz mais pelo reino supremo da incerteza

>>95906
>Não porque o sacerdócio masculino é uma questão de Fé e Moral - crença universal e dogma.
matar viados também, e deu no que deu
bastou a coagulação dos tempos, agora estão livres para escovar os dentes com pintos
olha, mas estou sentindo bater no meu cu os ventos, são os tempos do sacerdócio feminino
e eles virão, e vocês terão padras, e terão padras travestis, e isso será tradicional

>Primeiro porque Jesus conhecia e aplicava Lei Oral
não, é o inverso
os demónios incitam os homens com meias verdades
e repete, a boca imunda, os demónios, e misturam com mais suas próprias mentiras
e quando cristo diz a verdade, diz tu que disse conforme a mistura dos judeus

não existe lei oral
cristo não a conhece e nunca usou dela
>>95908
>sexo é... LE MAU
volta
Respostas: >>95916
>>95912
>disse às nações
Em lado algum ele disse às nações que era permissível.
>claro que significa
Não, não significa. Descriminalização significa que um ato não fica no teu registo criminal e não és alvo de prisão ou em alguns casos morte, não significa que não seja aplicada pena alguma (como multas) ou que o estado não tenha medidas de dissuasão desse mesmo ato. Esta é uma distinção no direito, por isso chamei-te a atenção para a descriminalização das drogas.
>está posto, o estado pode fazer o que quiser, sem ter em conta a igreja
Essa tese é condenada na Quanta Cura, no Vaticano II e vários outros lugares. É um erro tomar esta entrevista de modo isolado e não enquadrar na política da Igreja em relação ao assunto e na Doutrina Social no geral que fala justamente do dever do estado para com a verdadeira fé.
>mas as nações já não devem imitá-la
Devem sim.
>mas foi tu que disse «posição tradicional da igreja»
A posição tradicional da Igreja que a homossexualidade é um pecado. Foram estas as palavras do Sumo Pontífice e é a única posição tradicional.
>se a proibição não tem efeito de coeção, o que fez deus pedir a moisés que coibisse tantas coisas?
Tanto o direito civil como o direito canónico são inerentemente coercivos, a questão é que a Igreja não está obrigada a prescrever uma pena específica para um determinado pecado como se vivêssemos sob a Lei Mosaica, e que mesmo aí sabemos que a aplicação não era assim tão direta e havia montes de nuances e regulações.
>do que valia a imaculada lei mosaica quando ela estava estuprada até deus levantar josias e papa hilquias?
Faz toda a diferença quando se fala da imdefectibilidade da Igreja em questões de Fé e Moral. Meu ponto não ia além disso.
>a igreja não é «novo corpo farisaico»
É porque coisas como o poder das chaves do reino, ex cathedra, etc são claramente conceitos e instituições farisaicas como alguns historiadores proeminentes afirmam, por isso que é tão importante considerar a Lei Oral pelo menos como facto histórico.
>a igreja não é soberana
Em questões prudenciais é, sob as verdades da fé, não.
>é um facto, cristo cumpriu todas e ainda as cumpre
Mas os cristãos primitivos não, eles são claros que os cristãos não vivem segundo a Lei de Moisés. Jesus não so cumpriu a Lei como a realizou e nos deu a Nova Lei.
>os juízes só julgavam questões de interesse tribal
E quando se tratava de uma execução com todas as regulações que isso implicava. O caso do santo Fineias foi no tempo que Israel era uma teocracia e colonizava a terra de Canaã e os direitos dos cananeus teriam sido abolidos por Deus.
>a igreja por muito fez
>só que tu quer dizer que, havendo feito, pode ser desfeito sem que haja nenhuma falta
O que a obrigava a fazer isso? Que lei?
>lá a própria igreja pode ser alvo desse processo
Não porque a submissão à autoridade da Igreja e a aceitação de qualquer dogma é fruto da fé que purifica o intelecto e não da hierarquia.
>pois, de novo, não é quem, mas o tempo, então, se for o tempo, pimba, sumiu a tua igreja como matriz-de-intelecções
>tudo quanto existe a ser seguido está sob suspeita porque o tempo é o novo deus em novas roupas
O tempo não determina nada substancial, o tempo só influi nas diferentes abordagens prudenciais e pastorais que a Igreja tem perante o povo de Deus e em certo tempo. O tempo pode também influir em questões como linguagem e património intelectual e filosófico que serve de suporte à teologia como aconteceu nos primeiros concílios ecuménicos. O depósito apostólico é atemporal e perene porque é a projeção criada do próprio Logos.
>e que a recusa de dirigir as nações não é algo conforme a tradição
O Sumo Pontífice nunca se recusou dirigir às nações.
>e isso só faz mais pelo reino supremo da incerteza
A causa formal é Cristo, assim como a causa eficiente é a Essência Divina, a Igreja é condicionante. Se a Igreja fosse causa formal (no sentido aristotélico como usamos o termo) ela mesma estaria permanente a produzir nova revelação, tese condenada no Concílio Vaticano I.
>matar viados também
A cena é que não é (necessariamente) isso não está no depósito apostólico ou na vertente moral da Lei.
>cristo não a conhece e nunca usou dela
Isso não é verdade porque a influência da Lei Oral é evidente nos ensinamentos do Senhor e até na hermenêutica da instituição da Igreja sobre a Pedra, tudo isso vem na Lei Oral. A obra do Dr. Rabino Asher Finkel explica o papel da Lei Oral nos ensinamentos de Jesus (já indiquei alguns uns posts acima), se tiveres uma contra-prova à obra do rabino seria interessante argumentares.
Respostas: >>95918
>>95914
Sexo desregrado é mau
>>95915
>Em lado algum ele disse às nações que era permissível...
ele [literalmente] disse que os estados deveriam permitir

>não significa que não seja aplicada pena alguma...
se há pena, então há crime
descriminalização é anuência, e expressa-se por o fim da pena
por favor, sem joguetes e mandingas gramaticais

>Essa tese é condenada na Quanta Cura, no Vaticano II e vários outros lugares. É um erro tomar...
outra vez a irresistível preferência pelo papel contra a realidade

amigão ( ; `c´)  é simples, por favor, é só girar a manivela da tua cabeça aí

o papa disse que os estados devem deixar de considerar bundeiros como criminosos
mas diz, em nota, que, para a igreja, bundeiros continuarão a serem vistos como criminosos
então, para que os estados não considerem bundeiros como criminosos é preciso não imitar a igreja
sucede que o estado deve fazer suas coisas, quanto aos bundeiros, sem recorrer à igreja

>a questão é que a Igreja não está obrigada a prescrever...
repita assim: a igreja não é obrigada a [melhor] instruir as nações
por favor, só faça logo isso aí a conversa encerra

>Faz toda a diferença quando se fala da indefectibilidade...
sim, a indefectibilidade da lei que não é conhecida, a indefectibilidade da lei que não é praticada
é lindo, é como a virgindade—valioso celibato—de um incelino que ninguém quer beijar
ou o lema de "ordem e progresso" na bandeira de brasil
é como dizer que o sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado
mas quem está ouvindo é um homem que não vê o sol e não conta os dias
nessas horas a definição aviceniana de verdade desaparece das vistas católicas

>Mas os cristãos primitivos não...
eu não gosto do termo "cristão primitivo" porque quer diferir o que não é diferente
quanto ao trato, se quando tu come do corpo e bebe do sangue de nosso senhor recebe seus infinitos méritos
então tu e todos que comeram cumpriram a totalidade da lei, cumpriram com cristo, em cristo
agora, se quer receber os méritos por conta própria, cumprindo, em momentos, a lei de moisés
está a condenar a eucaristia como ineficiente e, finalmente, nosso senhor como mentiroso
assim torna nula toda e qualquer acção benemérita que faça-se pela lei de moisés, por mais justa que seja

>E quando se tratava de uma execução...
mas não é o caso, pois o caso é sodomismo, ou de fineias, filiação com pagãos, e não de uma divisão injusta de terras

>O que a obrigava a fazer isso?
o deus único de israel
>Que lei?
a correspondência entre o reino de deus e o reino dos homens
se são pedro balançar uma espada em movimento contrário ao da outra, as espadas chocam-se
uma espada, os bundeiros estão mortos para o céu, outra espada, os bundeiros estão mortos para a terra
se o governo disser que estão mortos apenas para o céu, e não para o terra, a espada da terra cortar o céu
a espada da terra só pode mover-se em conformidade com a do céu, por isso, se danado para a igreja, danado também para o mundo

>Não porque a submissão à autoridade da Igreja...
"não porque sim" lol
>O tempo não determina nada substancial...
pra deixar bem claro, o que eu disse, aí citado, não é o que eu acredito
disse o que está subterrâneo, quando diz essa asneira da conformidade da regra da igreja com os tempos
e não interessa se no papel tá escrito que a "submissão" é blingue-blingue, ou o "depósito apostólico" é buga-buga
o que está acontecendo, conforme o que se diz da condicionalidade-ao-tempo, é aquilo que eu disse
o fato de você apelar para abstracções de tipo "abordagens prudenciais" é só parte da hipnoses-com-letrinhas que sofre toda gente desde babel
pudera ter havido a abordagem prudencial de deixar fritar as crianças no moloch, nothing personal, kid>se tiveres uma contra-prova à obra do rabino seria interessante argumentares
<rabino
está aí a contra-prova, cumps
Respostas: >>95928 >>95929
>>95918
>ele [literalmente] disse que os estados deveriam permitir
Ele não disse que os estados deviam permitir, isso não está em lado nenhum da entrevista, e dentro da distinção jurídica o que não é crime não se torna permissível.
>se há pena, então há crime
Pena criminal, que fica no teu registo criminal e que ainda possas ser preso ou morto por isso. Descriminalizar não significa que o ato seja permissivo ou lícito, apenas que não está sujeito a ser punido como crime.
>Descriminalização significa que o ato ou conduta deixou de ser crime, ou seja, não há mais punição no âmbito penal, mas ainda pode ser considerada como ilícito civil ou administrativo, e pode sofrer sanções como multas, prestação de serviços ou frequência em cursos de reeducação.
<Legalização significa que o ato ou conduta passou a ser permitido por meio de uma lei, que pode regulamentar a prática e determinar suas restrições e condições, bem como prever punições para quem descumprir as regras estabelecidas pela legislação.
https://www.tjdft.jus.br/institucional/imprensa/campanhas-e-produtos/direito-facil/edicao-semanal/descriminalizacao-x-legalizacao
>outra vez a irresistível preferência pelo papel contra a realidade
Não há desarmonia entre a sã doutrina da Igreja e a sua política, a Igreja nunca se desresponsabiliza de instruir as nações de acordo com o que ensina e guarda.
>para a igreja, bundeiros continuarão a serem vistos como criminosos
Criminoso no direito canónico e no direito civil não significam a mesma coisa até porque o conceito jurídico de crime como aplicado hoje é um desenvolvimento posterior. Não é como se houvesse tipo uma isomorfia entre as operações da Igreja e as do direito civil.
>sucede que o estado deve fazer suas coisas, quanto aos bundeiros, sem recorrer à igreja
Não, o estado tem o dever se consultar e aplicar a teologia moral da Igreja e o Compêndio de Doutrina Social, sem que por isso implique uma transposição do direito canónico ao direito civil. A Santa Inquisição é um bom exemplo, o direito canónico aplicava uma pena sobre a forma de penitência e o direito civil atribuía uma pena sob a forma associada no direito civil sem misturar as duas coisas.
>sim, a indefectibilidade da lei que não é conhecida, a indefectibilidade da lei que não é praticada
Mas vê uma cena, não há nada que nos permita dizer que a lei não seja praticada, pelo contrário, e quando falo na indefectibilidade da Igreja era porque inicialmente estávamos a discutir que de algum modo esta alteração na política vis a vis os homossexuais teria também alterado a teologia moral e isso implicaria defectibilidade.
>então tu e todos que comeram cumpriram a totalidade da lei, cumpriram com cristo, em cristo
100% de acordo.
>mas não é o caso, pois o caso é sodomismo, ou de fineias, filiação com pagãos, e não de uma divisão injusta de terras
Um dos propósitos da Lei Mosaica era diferenciar o povo de Israel dos gentios e não permitir a sua corrupção. Quando Deus promete a Israel a terra de leite e mel e comanda limpá-la dos pagãos os direitos dos pagãos tinham sido revogados logo era o sangue dos pagãos a ser derramado, por isso ter sido feito nesse ponto da história da salvação por comando de Deus não significa que fora desse limite se possa fazer o mesmo não obstante o pecado, ainda para mais depois da realização e revogação da Lei Mosaica em Cristo.
>o deus único de israel
Obrigava os judeus (com todas as nuances e discussões rabínicas subjacentes), não os cristãos.
>uma espada, os bundeiros estão mortos para o céu, outra espada, os bundeiros estão mortos para a terra
>se o governo disser que estão mortos apenas para o céu, e não para o terra, a espada da terra cortar o céu
Os bundeiros morrem para o céu pela não observância da Lei Divina e dos Mandamentos e morrem para a terra pela não observância da Lei Natural, é isto que mata, o direito canónico e civil só refletem e formalizam esta realidade via aplicação correspondente da pena X ou Y, com maior ou menor grau de estreiteza.
>"não porque sim" lol
A Igreja tem jurisdição sobre todos os batizados do mundo, se estão ligados ao Corpo Místico a Igreja tem autoridade sobre eles, mas essa autoridade pode ser rejeitado por quem não tem virtude sobrenatural e pode inclusive contestar a autoridade e colocá-la em questão, por exemplo que de acordo com este tempo a hierarquia não é mais relevante e necessária, e o que vai fazer o sujeito se submeter de intelecto e volição à hierarquia e acreditar com fé católica e divina aquilo que a Igreja propõe não é nenhum argumento epistemológico ou a excelência administrativa do Magistério mas sim a fé sobrenatural terapêutica do intelecto que vai professar tudo isso. É por isso que a crítica do reino da incerteza está mal direcionada.
Respostas: >>95930 >>95941 >>95980
>>95918
>disse o que está subterrâneo, quando diz essa asneira da conformidade da regra da igreja com os tempos
Há duas coisas a ter em conta: certos aspectos disciplinares da vida eclesiástica são variáveis por vários motivos e isso é visível nos concílios pre-nicenos que alteravam uma série de regras; depois há o exercício da virtude da prudência e do cuidado pastoral dos fieis e aqui sim é que o contexto é importante, não porque a Igreja queira se adaptar ou agradar o mundo mas porque a definição da virtude da prudência e o seu exército é contextual e deve ter em conta vários fatores. O Catecismo diz
>Prudence is the virtue that disposes practical reason to discern our true good in every circumstance and to choose the right means of achieving it. . . . With the help of this virtue we apply moral principles to particular cases without error and overcome doubts about the good to achieve and the evil to avoid (1806).
>>95928
outro danone aqui a fazer uma interjeição
>crime
quando há anos atrás desvendei o significado etimológico de "crime", MUDOU MUITO A MINHA (oops ignora o caps) perceção.
Crime apenas significa operar ou cogitar segundo uma lei establecida pelo próprio, que pode ser ou não contrária à comum.
Respostas: >>95941
estabelecida*
8d2b9be3e4f97de5fbeb(...).jpg
[Esconder] (150KB, 825x575)
>bundeiros não vão para o céu
Jesus devia ter pensado nisto quando naquela noite decidiu ir para o cemitério com aquele rapazinho, né?
2559a9ab52f53fec10ad(...).jpg
[Esconder] (84.9KB, 946x2048)
>>95845
Respeito com o teu cupatriota.
>>95928
>Ele não disse que os estados deviam permitir
sucede que disse e está explicado
>Pena criminal
exemplo de palavra amontoada
um fruto podre de babel

1. não existe pena sem crime
2. não existe crime sem pena
3. não existe pena ou crime
4. não existe crime-e-pena

e eu não reconheço coisa como "direito civil", são costumes, e não leis
mas aqui não trata-se do que eu considero ou não, mas do que diz a igreja
e a igreja, pela então esquecida questão do "movimento-das-espadas" de antes
diz-nos que, por último, as leis-dos-homens são apenas costumes, e só a igreja é quem tem leis
mas eu sei que na disputa entre o papa sisto e o odioso jesuíta, quem "ganhou" foi o odioso jesuíta

>não há nada que nos permita dizer que a lei não seja praticada, pelo contrário
o papa está, literalmente, dizendo para os governantes não fazê-la

>Um dos propósitos...
já tivemos uma discussão sobre virtudes [e tutti-quanti] que, eu nem sei onde deu porque esqueci
e não quero voltar a falar disso, tu sabe minha posição, eu sei a tua, não há espaço para concordância entre nós
o grupelho minoritário e, hoje, insignificante, que é a dos anti-helenistas, nunca foi condenado e não será
assim como um defensor da materialidade-dos-anjos, da não-substancialidade da criação
e de tantas outras posições hoje ditas "heterodoxas" ainda tem seu lugar ao sol
e não há nada que os "stalinistas-de-aquino" possam fazer contra

>É por isso que a crítica do reino da incerteza está mal direcionada.
o teu caso é o seguinte:

o ptchan é um sítio dedicado à comunidade de língua portuguesa
mas então aparece um danone do macau e começa a escrever em chinês, não em português
aí alguém diz: para de escrever em chinês, caralho, escreve em português
aí tu aparece dizendo: gostaria apenas de interjectar por um momento, aquilo a que se refere como chinês, é de facto, português...
o ptchan é um sítio dedicado à comunidade de língua portuguesa, então a postagem está em português'

2/3 da discussão é isso

>>95930
crime, <zamam> nas escrituras, escreve-se com a funesta primitiva semita <z-m>
que muito provavelmente é uma onomatopeia, equivalente ao nosso "zumbido"

a mesma que alimenta <zimam>, que em árabe diz de <dar-nó>, de juntar
a mesma que serve <zamzam>,  que em árabe diz de <cochichar>, de juntar som
a mesma que serve <azama>, que em que em árabe diz de <propósito>, de juntar som e acção

todas essas palavras significam feitiçaria, todas descrevem a acção especifica do encantador
o feiticeiro, nas escrituras, é chamado por aquele que faz nós, e no corão também é assim descrito
é o fazedor-de-nó, literalmente e figurativamente, como ouve-se na belíssima surata "al-falaq"
https://www.youtube.com/watch?v=8IQn1ZZYewc

a palavra "crime", como dita por ti, pode ser vista na palavra "crime" como usada nas escrituras
que absolutamente não tem equivalência etimológica, mas nada do que tu disseste quer contra o que eu havia dito
trata-se de agir com um propósito [oculto], unindo dualidades, e a mesma palavra pode ser usada com diferentes qualidades
então, quando no livro de zacarias (8:14), usa-se negativamente, e no exacto preciso seguinte versículo, usa-se positivamente

dito, algo é feito (1) contra a feitura (2), por causa da feita (3) da feitura (2), sob alegação que não poderia ter sido feita (3)
isto é o que quero dizer por "há-pena-há-crime", porque é isto que significa por fim; a abstracção que o outro tuga aqui botou é só mais uma hipnose-de-letrinhas
a palavra não dá-nos uma separação quando queremos falar da distinção crime-punição, porque ela serve para toda a operação dita antes
quando feito (1), junta-se, cochicha-se, planeia-se, quando aquela feitura (2), junta-se, cochicha-se, planeia-se, quando os efeitos da coisa feita (3), junta-se, cochicha-se, planeia-se
a união, o cochicho, o plano, são essas as coisas "criminosas", o que predica-se ao "crime" é que diz se ele é meritório ou não

o que quero dizer com toda essa lenga-lenga é que perfeitamente cabe no que disseste, mas é preciso manejo
enquanto a palavra "crime", que etimologicamente vem desde "dividir"  e que dá em cisma (ノ ◡‿◡ )ノ calcedoniano 
crime em hebreu quer dizer o seu exacto oposto, que etimologicamente vem desde "unir"
uma palavra desgosta da outra

há propósitos malignos que [situacionalmente] não conhecem obstáculos e há propósitos benditos que [situacionalmente] não conhecem aberturas
não conhecer e não merecer são duas coisas diferentes, o fato de [ainda] não haver sido punido ou premiado não significa que não haja punição ou prémio
e quando diz-se de crime, nas escrituras, nunca é a implicar na possibilidade de havê-los sem punição ou sem prémio, absolutamente nunca
não distingue-se uma coisa, crime, da outra, preço, senão pelo predicadativo-qualificativo dualista
Editado por kudryavka
Respostas: >>95945
>>95941
>sucede que disse e está explicado
Não disse, eu vi a entrevista e o Papa não diz isso em nenhum momento. O problema é que estás a confundir conceitos jurídicos, tipo nem tudo o que é ilícito é crime e nem todo o tipo de sanção fica no registo criminal (pena).
>não existe pena sem crime
Chama-lhe sanção ou dissuasão como lhe chama a lei brasileira então, o argumento é que a ilicitude não se prende ao que é crime apenas, e nem toda a punição resulta em cadastro.
>movimento-das-espadas
Não percebo como nesta situação não tens o movimento das espadas simplesmente porque o estado aplicaria um tipo de punição ao invés de outro, e sendo que não reconheces direito civil não percebo porque darias preferência a tipo de punição em detrimento de outra.
Respostas: >>95947
>>95945
>Não disse, eu vi a entrevista e o Papa não diz isso em nenhum momento. 
não disse que ele disse explicitamente, disse que sucede do que ele disse
e o razoado já está exposto

>O problema é que estás a confundir conceitos jurídicos
não, é tu que está dizendo que a confusão é o certo
e o certo de que digo é a confusão

tudo que é ilícito é crime
tudo que é crime é ilícito
não há crime e ilícito
não há crime ou ilícito

>Chama-lhe sanção ou dissuasão
não importa se cá ou lá faça-se assim ou usa-se tal
na índia adora-se demónios, mesmo que eles digam que são deuses
outra vez a tua fixação pela coisa escrita

>Não percebo como nesta situação não tens...
não percebe porque insiste em separar o que é junto
>e sendo que não reconheces direito civil não percebo porque
os costumes dos homens devem convergir com a lei de deus, para que então sejam [situacionalmente] leis
é o que diz o senhor às outras tribos que não eram originárias de jacó

>darias preferência a tipo de punição em detrimento de outra.
e não é uma questão de preferência de um tipo por outra
pois trata-se de nenhuma punição vs. punição
Respostas: >>95948
>>95947
>disse que sucede do que ele disse
Só sucede se o estado for deliberadamente contra a Igreja e legalizar (tornar permissivel). Daí não se pode concluir que a posição do Sumo Pontífice seja errada.
>tudo que é ilícito é crime
Não necessariamente embora tudo o que é crime seja ilícito, uma coisa pode ser ilícita e acarretar uma multa, reeducação ou sanção tipo crédito social.
>insiste em separar o que é junto
Não é separar o que é junto, a doutrina das Duas Espadas não reduz ao que hoje chama-mos crime nem faz da sinfonia contingente da pena-crime.
>pois trata-se de nenhuma punição vs. punição
Mas existe punição e censura, esse é o ponto.
Respostas: >>95949
>>95948
>Só sucede se o estado for deliberadamente contra
essa é a coisa contraditória dita lá atrás, meu amigo
se o governo não pune (ou se insiste em separar o inseparável, troque por permite) bundeiros, está contra a igreja
mas é a igreja que está dizendo para não punir (ou se insiste em separar o inseparável, troque por permitir) os bundeiros

>uma coisa pode ser ilícita e acarretar...
todas essas coisas chamam-se "punição"
então, volta, tudo que é crime é ilícito

>Não é separar o que é junto, a doutrina das Duas Espadas...
seja mais didático, eu acho que não entendi muito bem
se tu diz que não é junto, como digo, e nem separado, como quer hoje, era o quê?

>Mas existe punição e censura
desculpa por repetir, mas...
censura é punição
punição é censura
não há censura e punição
não há censura ou punição

pode-se dizer que, como bisnaguinha (1) é pão (2), também baguete (3) é pão (2)
admito a utilidade da distinção de bisnaguinha e baguete, quando há de falar de bisnaguinhas e baguetes
mas não existe distinção de bisnaguinha e pão ou de baguete e pão

não há pão e bisnaguinha
não há pão ou bisnaguinha
bisnaguinha é pão
pão é bisnaguinha
Respostas: >>95980
>>95949
>se o governo não pune
O governo pune/não permite, apenas não te mete na cadeia ou mata, ou te mete isso no cadastro.
>tudo que é crime é ilícito
Exatamente, mas nem tudo o que é ilícito é crime, como aqui citado >>95928
>>95949
>se tu diz que não é junto, como digo, e nem separado, como quer hoje, era o quê?
Junto, mas com operações diferentes uma da outra.
Respostas: >>96052
A santa igreja é como a fenix. Que morra.
A Tradição, a Bíblia Sagrada, e o legado dos Padres do Deserto, Padres da Igreja, Santos, Santas, Mártires e outros homens e mulheres de valor são o que todo bom católico deve seguir.
Esse argentino comunista não é o primeiro pontífice controverso que a Igreja tem, e não será o último.
>>95980
>O governo pune/não permite, apenas não te mete na cadeia ou mata...
bom, é bem isso mesmo, mas mesmo isso não é suposto nas falas do papa
ele diz de nenhum tipo de discriminação, nenhum tipo de prejuízo, nenhuma pena
então é para o governo fazer, absolutamente, nada contra os bundeiros
não é só simplesmente não matar ou prender, que já é algo absurdo de pedir
é o fim total de qualquer pena, e ainda dá bastante a entender que criminalizar sodomismo é falta de caridade

>mas nem tudo o que é ilícito é crime
isso porque você insiste numa ideia de crime e eu numa outra
pode ser que a tua seja mais concordante com a vigente no mundo
mas não é concordante com as escrituras e com os santos
[Nova Resposta]
80 respostas | 14 ficheiros
A ligar...
Denunciar/Moderar

Ações:

Captcha:

Onde estão os animais?
NotíciasRegrasFAQLegal/DMCAStreamDoar

Todas as marcas registadas, direitos de autor, comentários e ficheiros neste site são propriedade e responsabilidade dos seus respectivos autores e proprietários. Só um louco levaria o que aqui é escrito a sério.